Ordem da Confraria Elementar Primeira do Brasil

As 7 grandes regras de Paracelso

As   7   Grandes  Regras  de   Paracelso   para   o  Desenvolvimento  Espiritual,  conforme   orientações  em aula  nos cursos de janeiro e comentários de J. C. E.


Comentário: 

Ao  longo  do  tempo vários autores, eu inclusive, olhamos o que foi escrito sobre isso ou aquilo e tentamos adaptar ao nosso momento ou  acrescentar  essa  ou  aquela  colocação, por  isso farei algumas alterações no texto original que foi enviado e colocar dentro do que foram  as  reflexões  da  época  em  que  entrei em contato com os princípios de Paracelso e porque ele escreveu como escreveu, esses comentários serão sucintos. 

Introdução  no  texto  original: "Se durante alguns meses se observarem rigorosamente as prescrições que se dão a seguir,verás operar na  tua  vida  uma  MUDANÇA  TÃO FAVORÁVEL, que jamais as abandonarás. Mas, leitor irmão, para que obtenhas o êxito desejado, é necessário,  isso  sim que adaptes a tua vida à estrita observação destas regras. São simples e fáceis de seguir, mas é preciso segui-las com perseverança muito firme. Não achas que a felicidade vale bem algum esforço? Se  não  és capaz de seguir estas regras tão fáceis, com que  direito  te  podes  queixar  dos  teus fracassos? Que custaria fazer uma experiência? São regras ensinadas pelas mais Antigas Sabedorias e existe nelas mais TRANSCENDÊNCIA do que a sua simplicidade te leva a supor.”

I Regra 

Melhorar a Saúde – “Conserve e amplie sua condição física”, use plenamente o que está ao seu alcance:

a) comece  pela  melhoria  de  sua respiração,  com  limpeza  de  pulmões,  “respirando  o  melhor ar que puder, com a maior frequência possível  profunda  e  ritmicamente,  enchendo  bem  os pulmões;  ar  livre ou assomando-se a uma janela”, práticas aeróbicas e outras recomendadas.

b) “Beber  diariamente,  em  pequenos  sorvos,  dois  litros de água”, usando a água como um regulador, e como purificador do astral, o corpo  emocional. Mesmo  quando  estiver  com  alguma  alteraçã o beba água. Quando for fazer contato espiritual a água pode cortar e quase sempre o faz o contato com os seres, por isso não se bebe água durante uma sessão ou em contato, mas se pode deixar um copo com água  para  finalizar o  trabalho ou a prática. Quando  sob  tensão  emocional ou atuação espiritual negativa, colocar os pulsos sob a água  e  parte  da  tensão  se  dissipará,  possível  nestas  ocasiões  de atuação invocar e sintonizar com as entidades protetoras e pedir ajuda.  Alimentar-se  o  mais  natural  possível e “frutas e verduras” como complementos essenciais aos grãos, e sementes, mas comer mastigando  bem  os  alimentos  e  sempre  verificando  a  sua  natureza  interna  e  necessidade real.  Educar  e  controlar  a ingesta de alimentos  é  um  dos  procedimentos  de  controle  do corpo pela mente. “Evitar o álcool” como as bebidas fortes e os temperos fortes, eles podem alterar a sensibilidade fina da APS e da PES, o chocolate deve ser consumido com cuidados como o café,  o refrigerante não tem razão de ser além da comercial. O banho sempre deve ser  um ajuste energético com o elemento água. Aqui nesta regra estão três dos elementos, o quarto o fogo ocorre na queima interna e na produção da energia, tanto física como sexual.

c) “evitar  o  uso  de  medicamentos”,  neste  caso para  que o indivíduo  tente acionar seu próprio poder de cura, e porque na época do autor a  medicina  estava  muito  atrasada, hoje  a  medicina pouco espaço dá para as terapias naturais e está presa aos laboratórios e à economia. Sempre que possível conhecer e manter ao alcance as plantas e chás de acordo com sua natureza. 

II Regra 

“Afastar absolutamente   do teu ânimo, por mais razões que existam, toda ideia de pessimismo, rancor, ódio, tédio ou tristeza”. Ânimo quer  dizer  aqui aquilo que anima, que impulsiona ou origina o ato, a ação, e para isso é preciso aprender a parar e observar se estamos reagindo a  algum  motivo  ou  provocação,  a  algum  fator  existente  em  nós,  que  se  origine  em  conflitos e má formação, como os ressentimentos,  ódios  e  tristezas  originados  no  passado  não  resolvido,  é  preciso  limpar  a  chaminé,  e  manter  limpos  os canais energéticos,  as  origens  de nossos atos e pensamentos. O autor recomenda que se deve “Fugir como da peste de todas as ocasiões de lidar  com  pessoas  maldizentes,  viciadas, ruins, bisbilhoteiras, indolentes, mexeriqueiras, vaidosas, ordinárias e inferiores por natural baixeza  intelectual ou pelos tópicos sensualistas que constituem a base dos seus discursos ou ocupações. Mas isso no mundo de hoje é impossível,  (são  os  temas dos  filmes,  das  novelas  e da motivação emocional até no esporte) e é recomendar o absoluto isolamento, para um médium  é  fácil  perceber  a vibração  que  motiva  a  pessoa  e  nos  isolarmos  mental  e astralmente das mesmas influências. Percebê-las  e  não  o  afastamento  e  a  partir  daí  manter  silêncio  sobre  o  que  percebemos decidindo  a melhor atitude a tomar. O isolamento  não  é  uma  regra  correta  desde  que  aprendemos sobre os espiritismos, as obsessões e as atuações de seres que podem alterar os  comportamentos  até mesmo com a intenção de isolar o atuado alvo. O controle e progressivo conhecimento das motivações internas que se tenha, originadas em MVP (marcas de vidas passadas) ou  da  formação na vida presente (MVA- marcas da vida atual), devem  ser  observadas  e  conhecidas  mas  não  podem  determinar  as ações de isolamento e sim intervenções consciente. Com isso o autor pretendia que “A observância desta regra é de importância decisiva:  trata-se de mudar a contextura” espiritual, quer dizer atuar a partir da  vontade  sobre  o  espírito  e  com isso criar as condições de aproximação e sintonia com o próprio SER ou ALMA. “É o único meio de mudar o teu destino, pois ele pode depender dos nossos atos e pensamentos... O AZAR NÃO EXISTE”. É o mesmo que falar em reeducação progressiva da memória e do comportamento. 

III Regra 

“Fazer todo  o  bem  possível. Auxilia a todos os  que puderes, sem  criares nenhum julgamento de valor, mas jamais tenhas debilidades por nenhuma pessoa”, quer dizer evitar os envolvimentos sentimentais, pois não conhecendo as origens dos problemas e os causadores das atuações,  ou  por  elas atraídos decidiremos mal, com a mediunidade que temos terminaremos sendo envolvidos, é essa a questão. Na época  do  autor  não  se  podia  falar nestes termos, nem  dos  seres que ele conhecia bem. Este envolvimento de auxílio poderá ser feito    incluindo   uma   investigação  ou    atendimento   mediúnico,   sempre   que   possível  com  outro  sensitivo,  para  auxiliar    no restabelecimento  da  energia  ou  socorrer  diante  de  uma  atuação  mais  forte.  Isso  evita  que possamos nos envolver em situações desafiadoras  sem  o  cuidado  necessário,  de  sintonia  com  nosso  SER  e com as entidades que nos acompanham. Não se pode perder energias  essenciais  ao  próprio  crescimento  e  equilíbrio, o que se obtém “eliminando e reduzindo o sentimentalismo”, exacerbado na maioria  da  produção  televisiva, áudio  visual,  nos  temas  dos  filmes  de  ação, no  erotismo  e  nos  apelos emocionais, propagando e consumo  de  produtos. Reflitam  e  aprendam  a  perceber  os  apelos  que  atuam  sobre as pessoas e nossos jovens como nos filmes e desenhos e  o  efeito  sobre  a  personalidade. Essa  é  a  recomendação  oculta  quando  orienta  a  “fugir de todo o sentimentalismo” e emocionalismo pois o autor não conhecia o que se produziu no Séc. XX e atualmente, levando gerações às drogas e ao desequilíbrio. 

IV Regra 

“É necessário esquecer todas as ofensas: mais ainda, esforça-te por pensar bem do teu maior inimigo: a tua alma é um templo que não deve  ser  profanado  pelo  ódio.”  

Em sua  linguagem  simples  queria orientar  a  que não mantenhamos  ligações  com  fatos  cuja  origem desconhecemos,  aqui  cabe  a investigação  retroativa   aos   momentos   que   antecederam  os  acontecimentos   buscando  perceber   as motivações  e  os   agentes espirituais  ocultos  que  podem  tê-las  gerado, mas  também  podem  ser  as  falhas  de  formação  daqueles  que estiveram em  nosso passado. 

V Regra 

“Deves  recolher-te  todos  os  dias  aonde  ninguém  possa perturbar-te, nem que seja por meia hora, sentar-te o mais comodamente possível e NÃO  PENSAR  EM  NADA."

Isto fortifica  energicamente  o  cérebro  e  o espirito  por-te-às em contacto com boas influências. Nesse  estado  de  recolhimento  e silêncio costumam  ocorrer-nos  ideias  luminosas, susceptíveis de mudar toda uma existência. Com o tempo  todos  os  problemas  que se  apresentam   serão   resolvidos  vitoriosamente  pois  uma  voz interior  te  guiará  em  tais  instantes  de silêncio, a  sós  com  a tua consciência.  Esse  é  o DAIMON  de que falava Sócrates. Todos os grandes espíritos deixaram-se guiar por essa suave  voz  interior. as não  a  encontrarás  assim  de imediato, tens  que preparar-te durante algum tempo, destruir as sobrepostas capas dos velhos hábitos, pensamentos  e   erros  que  pesam  sobre  o teu  espírito, que  é  divino  e  perfeito  em si, mas impotente por causa do imperfeito  do veiculo  que  lhe  ofereces  hoje  para  se  manifestar... ” Antes  de  qualquer  ato, para  e observa, para  e silencia por pelo menos  três minutos,  por  vezes  não  teremos  nem  três minutos, mas façamos  um  mínimo  silêncio  de  sintonia e de observação sobre o agente motivador  e  perceberemos  uma  progressiva  mudança. Nossos  corpos  são  frágeis, e  mais  ainda  nossos corpos físico, emocional e intelectual, as ideias  e  sentimentos  aparecem  em  nós ou se conservam sem um comando da vontade, sem nosso propósito, sem que a maioria de nós os tenha criado ou se aperceba de suas origens. 

VI Regra 

“Deves  guardar  silêncio  absoluto  de  todos  o s assuntos  pessoais; abster-te como se tivesses feito juramento solene, de referir aos outros, por mai s íntimos  que  sejam, tudo quanto pensas, ouças, saibas, suspeitas, aprendas ou descubras. Durante muito tempo pelo menos, deve ser como CASA MURADA ou JARDIM FECHADO: é regra de suma importância.” 

O  que recomendamos  inicialmente  é  que  jamais falem do que vier à mente, aguardando algum tempo antes de qualquer comentário, ainda que se tenha as  “melhores intenções”,  e  quando  falar  que haja  um propósito, guardar silêncio por algum tempo é não dar vida imediata  ao  que não sabemos o que seja ou de onde se tenha originado, cria-se o tempo da consciência, da percepção, da intervenção pela  reflexão  mais  profunda  e do equilíbrio necessário. Muitas vezes somos intuitivos, mas ainda não dominamos nossas percepções, pode até ser verdade mas sem que se tenha obtido os lados das  verdades  poderemos fazer  um La danado... a  nós mesmos! Imaginem se momentos depois o  que foi  propagado  se  desmente e compromete-se nossas imagem e a qualidade de nossa intervenção. Parar e observar até meso que se impulsiona dizer ou fazer. 

VII Regra 

“Nunca temas aos homens nem te inspire sobressalto o dia de amanhã. Mantém a tua alma forte e limpa e tudo te correrá bem.  Nunca te julgues só, nem débil, porque há atrás de ti  poderosos  exércitos, que  não concebes  nem em  sonhos. Se elevas o  teu espírito, não existirá  mal  que  te  possa tocar. O único inimigo a quem deves temer é a TI MESMO. O medo e a desconfiança originam os fracassos, atraem más influências e  o desastre. As  pessoas  de "boa sorte",  observam grande parte das regras antecedentes; muitas que obtêm riquezas, não  são  boas pessoas, mas  possuem  muitas  das  virtudes  mencionadas... mas  a  felicidade  se consegue onde  não impera o antigo SATÁN da lenda, cujo nome é EGOÍSMO. Nunca te queixes de nada.

Domina os teus sentidos e foge tanto da modéstia como da vaidade, porque são funestas para o êxito. “A modéstia retirar-te-á forças e a vaidade é tão nociva” pelo provoca e atrai. 

 

Extraído originalmente de http://mrvmessage.blogspot.com/2010/05/as-7-grandes-regras-de-paracelso-para-o.html por L. V. Trindade a partir de comentários em aula.

Voltar